TSE nega pedido do PSol para censurar o WhatsApp

autor Misto Brasília

Postado em 22/10/2018 14:22:00 - 14:17:00


Entre os pedidos do PSol estava a redução de compartilhamento/Arquivo

Partido pediu que a Justiça Eleitoral determinasse o uso temporário para limitar o compartilhamento

O ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou liminar (decisão provisória) ao PSol em representação que pedia que o uso do WhatsApp fosse restringido nos dias que restam até domingo (28), data do segundo turno das eleições.

Entre as medidas que haviam sido solicitadas pelo PSol estão a restrição dos encaminhamentos de 20 para cinco, com o objetivo de limitar a disseminação de desinformação; a restrição do número de transmissão de uma mensagem para contatos (atualmente é de 256 contatos ao mesmo tempo); e a limitação do número de grupos, segundo a Agencia Brasil.

Na representação, o PSol pediu que a Justiça Eleitoral determinasse ao WhatsApp o uso temporário de mecanismo para limitar o compartilhamento, encaminhamento e transmissão de mensagens e o número de membros em novos grupos criados na rede.

O partido fez a solicitação com a justificativa de que a disseminação sem controle de notícias falsas pelo aplicativo estaria prejudicando a lisura do pleito. Para o ministro Edson Fachin, no entanto, o PSol não apontou “fundamentos jurídicos” suficientes para a restrição do WhatsApp, tampouco apontou “conduta ilícita” praticada pelo aplicativo.


AO VIVO sessão da Câmara Legislativa do DF
AO VIVO Radio 247 - jazz
veja +
Proposta obriga vagões exclusivos para mulheres e crianças
Debate nesta terça-feira segurança de dados pessoais no Brasil
Comissão sugere criação do Mês de Conscientização sobre Câncer de Cólon e Reto
veja +