Outra lei aprovada pela CLDF é considerada inconstitucional

autor Misto Brasília

Postado em 17/10/2018 15:07:14 - 15:03:00


Nos últimos sete anos, 77% das leis aprovadas na CLDF eram ilegais/Arquivo

Desta vez a legislação obrigava o atendimento de emergência nos hospitais particulares

O Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal considerou inconstitucional mais uma lei aprovada na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Desta vez foi a Lei Distrital 5.750/2016, que impôs a todas as instituições de saúde, públicas e privadas, do Distrito Federal, a obrigação de prestar atendimento médico emergencial, sem informar a fonte pagadora responsável.

A mesma lei não permitia também que o paciente passasse pela triagem da Central de Regulação da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. O objetivo seria regulamentar atendimento emergencial pelas equipes de socorro e remoção do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A ação foi ajuizada pelo Sindicato Brasiliense de Hospitais, Casas de Saúde e Clínicas. Que alegou que a “lei padece” de vício de inconstitucionalidade formal, “pois teve iniciativa parlamentar e trata da organização e do funcionamento do serviço público pré-hospitalar móvel, cuja iniciativa é reservada ao governador do DF”.

Somente em setembro do ano passado, o mesmo órgão do TJDF considerou cinco leis distritais inconstitucionais. Nos últimos sete anos, 77% das leis aprovadas pela Câmara Legislativa foram consideradas ilegais ou inconstitucionais pela Corte e pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em 90% delas não poderiam ser propostas pelos parlamentares. Somente em 2013, TJDF julgou como inconstitucional 36 leis aprovadas pela Câmara.


Passageiros filmam avião em chamas nesta tarde em Belo Horizonte
Guedes fala em antecipar receitas para os governadores
veja +
Ibaneis volta a dizer que não quer o chefão do PCC no DF e pede fechamento de presídio
Coordenadora diz que grupo de trabalho não vai atrasar análise do pacote anticrime
Presidente da CCJ espera "melhora do cenário político"
veja +