Ainda há tempo

autor Misto Brasília

Postado em 10/10/2018 09:21:55 - 09:11:00


Cientistas advertem que situação do aquecimento é grave e urgente/Arquivo/Nasa

Caminho para limitar o aquecimento global em relação à temperatura pré-industrial exigirá esforço

Texto de Rita Marques Costa

Nos próximos anos, o aumento da temperatura global vai levar à subida do nível da água do mar, ao aumento dos fenômenos climáticos extremos em número e em intensidade, à destruição de alguns ecossistemas, a perdas na produção de alimentos e por aí em diante.

Tudo isto são certezas quase absolutas para a comunidade científica. Mas há uma forma de, pelo menos, atenuar estas alterações: limitando o aumento da temperatura global a 1,5 graus Celsius em relação aos valores pré-industriais.

E, apesar de exigir um esforço significativo, ainda é possível fazê-lo, diz o último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla inglesa) divulgado no início da semana.

O relatório mostra como o aumento da temperatura em relação ao período pré-industrial em 1,5 graus Celsius e não em dois graus Celsius (valor limite apontado no início da década) pode contribuir para atenuar os efeitos nefastos do aquecimento global no ambiente, na saúde, biodiversidade, produção de alimentos e condições de vida.

Caso tudo se mantenha como agora, “o aquecimento global deve atingir os 1,5 graus Celsius entre 2030 e 2052”, aponta este relatório. “Uma das principais mensagens do documento é que já estamos vendo as consequências do aquecimento global em um grau Celsius, com temperaturas mais extremas, aumento do nível do mar e diminuição do gelo do Ártico”, disse Panmao Zhai, um dos representantes do IPCC envolvido na elaboração do documento.

Em 2017, o Acordo de Paris já referia a necessidade de limitar a subida da temperatura em valores bem “abaixo dos dois graus Celsiuas” e a prosseguir esforços para “limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius”.

O problema, lembra ao site Público o responsável da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira, “era saber se era ou não viável chegar aos 1,5 graus Celsius”.

Algo que o IPCC resolveu agora ao provar que sim depois de analisados mais de seis mil estudos científicos produzidos nos últimos anos - um trabalho feito por 91 cientistas e revisto por milhares de especialistas e representantes de vários governos. “Há um antes e um depois do relatório. Temos os países e a comunidade científica a assumir esta realidade.”

O caminho para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius em relação à temperatura pré-industrial exigirá algum esforço. O relatório diz mesmo que é algo que “requer uma transição rápida e profunda nos sectores da energia, uso do solo, urbanismo e infra-estruturas (incluindo transportes e edifícios) e sistemas industriais”.

Estas alterações “não têm precedentes em termos de escala”. E mais: “Implicam reduções profundas nas emissões de todos os setores, um portfólio alargado de opções de mitigação e um aumento significativo no financiamento dessas opções”.

(Rita Marques Costa é repórter do Público)


General nega que Michele Bolsonaro mandou tirar obras sacras do Alvorada
Incêndio atinge a Refinaria de Manguinhos (RJ)
veja +
Governador eleito do DF Ibaneis Rocha diz que não tem nenhum tipo de surpresa
Congresso deve votar Orçamento de 2019 nesta semana
Aprovado orçamento de 2019 com reajuste para agentes comunitários
veja +