Cientistas denunciam ''ciências em chamas''

autor Misto Brasília

Postado em 27/09/2018 17:56:40 - 17:43:00


Cientistas dizem em carta que incêndio no Museu Nacional é uma metáfora da ciência/Arquivo/Adufc

Em carta publicada numa revista científica 21 pesquisadores criticam redução de recursos públicos

O incêndio que destruiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro no início do mês ressoa no mundo científico fora do Brasil. Numa carta publicada nesta quinta-feira (27) na revista Science, 21 pesquisadores afirmam: o fogo que consumiu os arquivos históricos é uma metáfora do estado atual da ciência no país.

Os autores da carta são ligados à Universidade Cornell, Universidade da Flórida e à Academia de Ciências da Califórnia, nos Estados Unidos, além da Universidade Federal do Rio de Janeiro. "É importante a manifestação dos cientistas para dar um alerta à comunidade internacional", diz à DW Brasil Luiz Rocha, um dos autores e curador na Academia de Ciências da Califórnia.

Na carta, os autores apontam a queda contínua de repasses ao Museu Nacional registrada nos últimos cinco anos e a falta de investimentos em segurança do prédio e dos itens históricos.

"É um passo gigantesco para trás", comenta Rocha sobre os sucessivos cortes em órgãos e agências federais que mantêm pesquisas ativas no Brasil. "Vemos uma diminuição na quantidade de bolsistas e de financiamento de uma forma incrível", critica.

Antes do Museu Nacional, que guardava o acervo mais importante da história do país, o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, foi completamente destruído por um incêndio em 2015. Em 2010, pesquisadores lamentaram o sumiço de 80 mil espécies conservadas depois do fogo no Instituto Butantan, em 2010. 

"Em ambos os casos, a falta de investimento em infraestrutura foi apontada como causa", diz a carta. O texto diz que a magnitude da perda do Museu Nacional prejudica não apenas o Brasil, mas o mundo.

"O avanço científico é baseado em blocos de construção do passado e, sem esses componentes, os cientistas ficam sem pontos de referência", afirmam.

As coleções preservadas em museus são vistas como base para que a ciência consiga reconhecer a novidade e o avanço, e permitem também o melhor entendimento da condição humana. "Até mesmo para prever o futuro ecológico e evolutivo da biodiversidade do planeta", justificam.

Com a publicação na Science, os autores esperam que a recuperação do Museu Nacional seja feita de forma apropriada. "A gente espera que não seja dado um ‘jeitinho' na hora da reconstrução. Ou que o financiamento não seja cortado no final do projeto", detalha Rocha.

Sob a tutela do pesquisador está a maior coleção de peixes do mundo, com 2,5 milhões de exemplares. A Academia de Ciências da Califórnia, museu de ciência em São Francisco, foi fundada em 1853 e atualmente ocupa um prédio com certificação sustentável.

As colaborações da instituição com o Brasil são importantes para o acervo. Há poucos dias, Rocha e pesquisadores brasileiros publicaram um artigo que descreveu uma nova espécie de peixe identificada no arquipélago São Pedro e São Paulo, no nordeste do Brasil.  

Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), concorda com o teor da carta publicada na Science. "O incêndio foi fruto do descaso de décadas e ilustra bem a destruição da ciência brasileira", diz à DW Brasil. 

O drama passa pelo orçamento: neste ano, R$ 4,1 bilhões foram direcionados à pesquisa pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Comunicações, quase um terço do montante registrado em 2010, que foi de aproximadamente R$ 9,5 bilhões, segundo as estimativas da ABC.

"A equipe econômica parece desconhecer o fato de que a ciência brasileira já deu contribuições importantes para o país que representaram incremento na economia. Exemplos não faltam na agricultura, na área de energia, da saúde", comenta Davidovich.

Com o descaso e a falta de investimento, a população perde, acredita Davidovich. "A epidemia recente de zika que tivemos foi enfrentada por cientistas brasileiros, que descobriram a ligação entre o vírus e a microcefalia e, dessa maneira, ajudaram na prevenção", cita o exemplo. "Não foi sorte, não foi milagre, foi ciência."

Às vésperas das eleições, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (Sbpc) tenta se aproximar de candidatos para debater os recursos para a ciência. Uma das metas é obter apoio para a revogação da lei que congelou o teto dos gastos públicos pelos próximos 20 anos.

"Isso é comprometer o futuro por que é a ciência que gera riqueza de um país por meio da inovação tecnológica", pontua Ildeu Moreira, presidente da SBPC, citando o exemplo de países como Alemanha, que investe quase 3% do seu PIB em pesquisa, e da Coreia do Sul, que ultrapassa a casa dos 4%.