É preciso mais controle sobre a Google

autor Misto Brasília

Postado em 07/09/2018 07:36:17 - 07:32:00


A Google sempre tentou se apresentar como um bom "amigo"/Reprodução/DW

Os chefes da empresa podem até dizer, de consciência limpa, que nada foi manipulado

Texto Jörg Brunsmann

Quando Donald Trump ataca a Google, trata-se de um comportamento típico do presidente americano: um egocêntrico quer que o mundo se adapte às suas ideias – e não o contrário. Uma coisa, no entanto, Trump entendeu: o enorme poder que a Google possui atualmente.

Entre outras coisas, o algoritmo da Google determina que notícias recebemos e quais, por outro lado, ficam despercebidas. Os chefes da empresa podem até dizer, de consciência limpa, que nada foi manipulado, que tudo segue apenas um princípio: somente o que interessa à maioria das pessoas chega ao topo da página de buscas. Relevância – esse é o princípio básico; só assim a companhia se tornou tão grande.

No longo prazo, no entanto, isso não vai continuar assim. A Google sempre tentou se apresentar como um bom "amigo" e "parceiro", em consonância com o slogan dos dias de sua fundação: Don't be evil (Não seja mal). Esse lema chama atenção, porque contém uma grande dose de moralidade. Existe o bem e o mal. E nós – os fundadores queriam dizer – optamos pelo lado bom.

Atualmente, a Google mudou o seu slogan, que agora é: Do the right thing (Faça a coisa certa). Parece simpático à primeira vista, mas não é. Por exemplo, pergunte a Trump o que ele acha que é "a coisa certa". Em termos de moralidade, a Google de hoje parece ser muito mais flexível do que em seus primeiros dias.

Isso deve assustar todas as pessoas que acreditam que a internet também vai determinar o futuro de nossa democracia e sociedade. Precisamos de alguém que monitore justamente isso: a neutralidade da Google e o respeito a ela. Nenhuma autoridade, nenhum político – mas uma instituição neutra.

Por exemplo, uma fundação. Ela deve evitar que a Google se torne um brinquedo da economia ou da política. Pois, quanto menos concorrência existir na internet, mais tangível se torna esse perigo. Se pudesse, Trump adoraria ditar à empresa, por lei, como ele e seus pontos de vista devem aparecer no mecanismo de busca.

Até agora, a decisão de a Google permanecer neutra ficou nas mãos, principalmente, da própria empresa. Da mesma forma, a própria companhia tem que se defender de tentativas de manipulação e outros ataques. E nós, os usuários, temos que acreditar que a gigante de buscas realmente quer permanecer neutra.

Isso é perigoso, porque atualmente a empresa detém uma posição de quase monopólio. E é por isso que a própria Google também deveria estar contente com um controle independente externo – e não se acastelar tão veementemente como tem feito até agora.

(Jörg Brunsmann é jornalista da agência Deustche Welle)


General nega que Michele Bolsonaro mandou tirar obras sacras do Alvorada
Incêndio atinge a Refinaria de Manguinhos (RJ)
veja +
Governador eleito do DF Ibaneis Rocha diz que não tem nenhum tipo de surpresa
Congresso deve votar Orçamento de 2019 nesta semana
Aprovado orçamento de 2019 com reajuste para agentes comunitários
veja +