Projeto do uso do solo poderá tramitar novamente na CLDF

autor Misto Brasília

Postado em 05/09/2018 18:05:59 - 17:59:00


A ocupação do solo é uma discussão polêmica que se arrasta por anos/Arquivo

Debate sobre a LUOS foi suspenso por decisão da Vara de Meio Ambiente que foi reformulada pelo TJDF

As audiências públicas realizadas em novembro e dezembro de 2016, para legalização da Lei de Uso e Ocupação do Solo (LUOS), finalmente foram consideradas legais pela 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A decisão desta quarta-feira (05) reformula sentença da Vara de Meio Ambiente, que acolheu um apelo de Eliane Estrela Galvão através de uma ação popular.

Quando o juiz Carlos Frederico Maroja de Medeiros anulou parte da proposta a pedido da moradora do Lago Sul, o projeto já estava em tramitação na Câmara Legislativa do DF. O projeto foi encaminhado pelo governo distrital ao Legislativo em dezembro de 2017. O texto que foi apresentado com pelo menos seis anos de atraso, está na Comissão de Assuntos Fundiários (CAF).

As audiências são necessárias para a aprovação da LUOS. A autora da ação disse que não foi observada a legislação, mas o argumento do governo do Distrito Federal acabou convencendo os desembargadores, que consideraram que não houve prejuízo à participação popular, segundo observou o relator, o desembargador César Laboissiere Loyola.

A Lei de Uso e Ocupação do Solo define as regras e os usos autorizados para a ocupação de cerca de 360 mil terrenos em todo o Distrito Federal. Só estão fora do projeto os bairros incluídos na área tombada, como Plano Piloto, Sudoeste, Cruzeiro e Candangolândia.

Em setembro do ano passado, o então secretário de Gestão do Território e Habitação, Thiago de Andrade, garantiu que “a Lei de Uso e Ocupação do Solo não cria lotes, não libera comércio em residências, não acaba com áreas de proteção ambiental nem tira a propriedade de ninguém, como algumas pessoas andam especulando”.


AO VIVO Radio 247
AO VIVO Tropical House Radio
veja +
Coordenadora diz que grupo de trabalho não vai atrasar análise do pacote anticrime
Presidente da CCJ espera "melhora do cenário político"
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
veja +