Alckmin não decola, mas dólar está nas alturas

autor Misto Brasília

Postado em 22/08/2018 17:37:29 - 17:33:00


Mercado financeiro sente o impacto da candidatura de Geraldo Alckmin/Arquivo

Moeda encerrou longe da máxima do dia, num movimento de correção alimentado também pelo EUA

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira e foi ao patamar de R$ 4,05 após recentes pesquisas de intenção de votos para a eleição presidencial mostrarem cenário difícil ao candidato que mais agrada ao mercado, Geraldo Alckmin (PSDB), e a possibilidade de segundo turno com a participação do PT.

“As pesquisas, no geral, não mostram muitas divergências... Estamos num contexto em que Alckmin não decola”, afirmou o analista-chefe da corretora Rico Investimentos, Roberto Indech.

A moeda norte-americana, entretanto, encerrou longe da máxima do dia, num movimento de correção alimentado também pelo banco central dos Estados Unidos, que reforçou a indicação que continuará subindo os juros de forma gradual, movimento que influencia o fluxo de capital global.

O maior patamar de fechamento do dólar foi batido em 21 de janeiro de 2016, quando foi a R$ 4,1655. Na máxima deste pregão, já tocou R$ 4,0917. O dólar futuro subia cerca de 0,10% no final da tarde.


AO VIVO - Câmara Legislativa do DF
Temer diz em pronunciamento que torce pelo novo presidente
veja +
Câmara aprova criação do Dia Nacional da Música e Viola Caipira
Saída de cubanos do programa Mais Médicos repercute na Câmara
Pré-sal, royalties, precatórios e Jovem Senador são destaques do Plenário
veja +