Primavera de Praga completa meio século

autor Misto Brasília

Postado em 21/08/2018 11:00:41 - 10:55:00


Tchecoslováquia estava sob o sob o domínio do comunismo central de Moscou/Reprodução/DW

Terminava assim o sonho de um socialismo no Leste Europeu baseado na liberdade

 

Meio milhão de soldados tendo à frente os tanques do Exército soviético: na noite de 20 para 21 de agosto de 1968, tropas do Pacto de Varsóvia deram fim à "Primavera de Praga" sob ordens do Partido Comunista em Moscou. Terminava assim o sonho de um socialismo no Leste Europeu baseado na liberdade, sobretudo na de opinião.

O ano de 1968 havia começado com jornalistas da Tchecoslováquia ignorando a censura do PC nacional. Alexander Dubcek, líder do partido desde janeiro daquele ano, permitiu que o fizessem. Ele apostava num socialismo livre e democrático, na esperança de que Moscou admitisse a opção de Praga – até porque os comunistas tchecos queriam permanecer no Bloco Oriental dominado pelos soviéticos. Mas no fim venceu o medo de que mais liberdade em Praga ameaçasse o domínio dos Partidos Comunistas dos países vizinhos.

Hoje com 82 anos, Roland Berauer lembra que passou aquela noite numa tenda de escoteiros na área de eventos de Praga, rio Moldávia acima. "Nós vimos os carros blindados passarem por nós em direção ao centro." Ele se associara como fotógrafo ao jornal de escoteiros Nepokorena, que só graças à Primavera de Praga podia publicar livremente.

A redação era uma barraca, com máquina de escrever, impressora e câmera fotográfica. Berauer informou o grupo sobre a invasão das tropas e aconselhou que se escondessem as máquinas da redação. "A mim, só restou guardar minha câmera e ir para a cidade." (Da DW)

 


Orquestra de Brasília e o Coral 10 interpretam Cio da Terra
Governador do Pará diz que contas dos estados passarão por pente-fino
veja +
Proposta reserva vagas de instituições de ensino para pessoas com deficiência
Câmara analisa propostas para deduzir do IR despesas com remédios, óculos e próteses
Ibaneis disse que vai "colaborar" para a aprovação da reforma previdenciária
veja +